Site Pollstar entrevista Amy Lee !

Veja abaixo uma entrevista que Amy concedeu ao site Pollstar.com, falando do novo álbum e da turnê que se seguirá.

A fundadora e cantora/pianista do Evanescence, Amy Lee, recentemente falou com a Pollstar sobre o que andou fazendo durante o hiato da banda, por que decidiu volta com o Evanescence e o que aprender a tocar harpa represente para ela. Em 11/10, o Evanescence vai lançar o seu terceiro álbum de estúdio pela Wind-Up Records, sendo o primeiro em cinco anos. A turnê norte-americana começa no dia 10/10 desde o fim de 2007. Em outras palavras, essa é uma grande semana par a banda vencedora de Grammys que já vendeu mais de 20 milhões de cópias no mundo todo.

Pollstar: Eu gostaria de dar os parabéns pela turnê próxima e pelo álbum.

Amy Lee: Obrigada. Estamos muito empoglados. É ótimo depois de trabalhar por tanto tempo poder ouvi-lo aí fora. Estamos muito orgulhosos.

P: Tenho certeza que os fãs estão ansiosos também. Eu quero fazer algumas perguntas sobre o hiato que você fez após a turnê de The Open Door. Se você puder dizer o que andou fazendo durante essas férias e a decisão de fazer um hiato.

AL: Bem, como você disse, nós terminamos a turnê de The Open Door no fim de 2007. Eu me casei em 2007 e fui direto para a turnê então eru realmente queria ficar um tempo só casada. Eu moro em New York com meu marido e nós trabalhamos em nossa casa; eu a decorei. Meio que fui uma pessoa normal por um tempo. Minha vida sempre foi o Evanescence desde que eu era uma adolescente, indo direto par o próximo passo sempre. Então foi bom me afastar um pouco e dizer “sabe, isso foi demais; acho que vamos repetir a dose algum dia mas não sei quando. Mas agora eu preciso ser só a Amy.” Foi muito bom para mim. É engraçado. Eu amo música. De verdade. Eu não resisto e toco o dia inteiro. E é por isso que estou aqui de novo, porque por mais que eu me afastasse eu sentava ao piano ou ficava com a harpa na maioria dos dias – eu comecei a prender a tocar harpa nesse meio tempo também. E isso leva à composição. E quanto mais eu me encontrava, eu descobria “sim, Evanescence é uma parte enorme de mim. Não é uma coisa que inventamos. Não é uma personagem. Sou eu mesma.” Então naturalmente eu comecei a compor de novo. E finalmente isso se tornou o álbum do Evanescence que lançamos. Passamos os últimos dois anos trabalhando nesse álbum. Mas antes disso eu vivi bastante – passei tempo com a família, cozinhei para os amigos, fui a shows de outras bandas. Fui muito ao Madison Square. Vi um ótimo show da Björk, vi Neil Young tocar, vi Deftones, Alice in Chains, todo o tipo de coisa. Fiquei mais me alimentando, do que colocando coisas para fora, aristicamente falando.

P: Você sempre soube que voltaria com o Evanescence? Ou isso foi algo que você descobriu?

AL: Não. Eu realmente tive que inspirar a inspiração voltar. Eu tenho que seguir o meu coração. Soa bobo, mas é verdade. Não sabia se queria mais fazer parte disso, com certeza, no final da turnê de The Open Door. Eu realmente precisava me separar um pouco disso. Mas nós estamos aqui porque eu amo isso e senti falta. E todas essas coisas começarm a ganhar vida de novo em mim.

P: Em uma entrevista anterior, li que quando você começou a trabalhar com os caras de novo, se tornou mais como um projeto de grupo. Você pode explicar melhor?

AL: Claro. Eu sou uma compositora muito intimista então o jeito mais comum que o Evanescence sempre funcionou foi eu e mais uma pessoa, duas no máximo. Sentada ao teclado, com um violão e o Pro Tools, só criando. Com The Open Door foi assim com Terry [Balsamo]. Escrevemos uase o álbum todo, só nós dois. Dessa vez eu abri as portas. Eu escrevi com Tim [McCord], escrevi com Terry. Comecei a escrever com Tim e Terry. Daí nós trouxemos Will [Hunt] e nós escrevemos algumas músicas cada um com seus instrumentos. Isso é muito diferente no Evanescence. E funcionou porque essa era a banda ao vivo que tínhamos antes, sabemos como tocar juntos, eles são grandes músicos. Nós só adicionamos criatividade e realmente funcionou. Acho que estamos num lugar agora em que sabemos onde o Evanescence e onde quer chegar, quer alcançar o próximo nível. E a mente de todo mundo estava na mesma linha então compusemos muito nas sessões de improviso. E essa foi uma experiência incrível para mim. Acho que fez de mim uma musicista melhor. E definitivamente fez de nós uma banda melhor.

P: Quando abanda se reuniu para os dois shows de 2009, como foi voltar aos palcos com eles?

AL: Foi demais. O que posso dizer? Estou tentando me lembrar agora. Eu estava nervosa porque ainda estava em um momento em que não sabia o que estávamos fazendo e ainda não estávamos trabalhando em um novo álbum. Estava escrevendo só sem objetivo. E quando fizemos os shows, o sentimento foi muito bom. Honestamente, fui meio como um ponto definitivo para mim lembrar das músicas antigas, ouvi-las e subir ao palco pensando “sim, essa é realmente uma grande parte de mim” tornou mais provável que nós fôssemos trabalahr num álbum para o Evanescence.

P: O que os fãs podem esperar do novo álbum?

AL: Acho que eles vão gostar muito. Pensamos muito neles. Sabe, é divertido, enquanto escrevíamos houve vários momentos em que pensamos “oh cara, os fãs vão adorar essa música!” porqu enós os conhecemos. Nesse ponto da nossa carreira, não é como se esperássemos que alguém fosse curtir. Como sempre, faço a música que amo. E meu método é que se fazemos todos os movimentos certos, não importa quais eles sejam, não importa se já foram feitos antes, só faça algo que você goste de ouvir e outra pessoa vai gostar de ouvir também. E todos nós seguimos o mesmo raciocínio. Nós queríamos fazer um disco que fosse absolutamente Evanescence e ainda fizesse nossos fãs felizes, mas que oa mesmo tempo imgressasse numa nova direção, um novo lugar. Acho que o álbum é forte, dinâmico, muito pesado às vezes mas também muito vulnerável em outras. Espero que essa descrição seja suficiente. É difícil resumir em algumas poucas palavras.

P: O que estava por trás da decisão de dar ao álbum o próprio nome da banda? Sempre acho interessante quando as bandas fazem álbuns auto-intitulados mais par frente na carreira e não no álbum de lançamento.

AL: O álbum se tornou algo direcionado pela banda. Exatamente sobre o que estávamos falando, trabalhar como uma banda e isso ter funcionado – fez-nos sentir mais como uma banda das antigas na composição. Todos, cada membro da banda, têm seu estilo colocado no álbum. E inclusive sua composição. E eu acho isso ótimo porque isso realmente funciona e é Evanescence. É demais. É forte. É direcionado por uma banda. Mas é novo. Somos nós novos. O álbum é esse grupo. A razão de ser auto-intitulado é que este é um álbum direcionado pela banda. Você está ouvindo a banda, no primeiro momento e daí em diante. E todos os elementos de produção vêm para enfeitar.

P: Como você se sente quanto às comparações entre a banda We Are The Fallen (que tem os antigos membros do Evanescence Ben Moody, John LeCompt e Rocky Gray) e o Evanescence? E você ainda mantém contato com os antigos colegas de banda?

AL: Eu vou pular a primeira parte da pergunta, se você não se importar. Mas eu ainda mantenho contato com alguns deles. Will Boyd e eu sempre permanecemos amigos. Ele entrou em contato comigo na semana passada dizendo: “Hey, você está em New York? Minha banda está indo até lá fazer um show. Quero te ver.” Mas eu não estava lá. Eu estava trabalhando, promovendo o novo álbum. Sim, estamos bem. Sem rancor.

P: O que os fãs podem esperar do show?

AL: Ah, vai ser ótimo. Eles podem esperar um pouco de todos os três álbuns. Obviamente que estamos mais animados com o novo álbum, então tocaremos um monte de coisas novas. Mas, é claro, ainda estaremos tocando algumas músicas do The Open Door e algumas músicas do Fallen. É legal, estamos num ponto agora onde temos tantas músicas que é muito difícil escolher. Temos um monte de opções para o nosso set ao vivo. Hoje é realmente o nosso último dia de ensaio. Passamos a semana passada, uma semana e meia, passando por todas as nossas músicas e ajustando o setlist, tristes pelas músicas que nós estamos cortando no momento. Apenas vai ser um grande show. É definitivamente focado um pouco mais no lado pesado, como nossos shows geralmente são. Claro que há momentos comigo ao piano e nós tocando algumas das nossas baladas também. Deve ser apenas o melhor show de todos. Começamos a turnê no Brasil em um grande, gigante festival, Rock in Rio, em 02 de outubro. E depois vamos para Porto Rico, e os EUA, e depois Europa. Nós então estaremos em turnê durante todo o ano, ao redor do mundo. Estaremos de volta aos EUA algumas vezes, mas também estamos indo para a Europa, Ásia, América do Sul, África. Então, basta ficar ligado no site (evanescence.com), porque lá sairão novas datas o tempo todo.

P: Vocês ainda fazem meet & greets? Ou, como vocês interagem com seus fãs?

AL: Sim, nós fazemos. Nós vamos sempre fazer meet & greets para quem pudermos. Mas, além disso, a Internet está se tornando cada vez mais útil para nós para interagir com eles. Eu uso o Twitter direto do meu celular o tempo todo. Sou capaz de me comunicar com os fãs, ver quais músicas que temos tocado ao vivo até agora que eles gostam mais. E posso compartilhar um pouco dos bastidores com eles em tempo real. É legal que agora você não tem que esperar um DVD sair para ver o que aconteceu no ano anterior com a banda. No dia da gravação do vídeo, eu posso twittar uma foto dele.

P: Eu li que bem antes de vocês começaram a trabalhar no novo álbum, você estava gravando canções possivelmente para um álbum solo. Você acha que ainda irá gravar um álbum solo em algum momento?

AL: Sim, eu acho que é definitivamente uma possibilidade. Eu não estava gravando um álbum solo antes. É que nós fomos para o estúdio para fazer um álbum do Evanescence em 2010, mas nós simplesmente não terminamos. Tipo, nós fomos para o estúdio por um minuto e então saímos e continuamos trabalhando, em parte porque eu meio que percebi que um monte de músicas que eu tinha era mais focado apenas em mim, escrevendo sozinha, mas realmente não encaixava em tudo que eu queria para o álbum. Pela primeira vez eu comecei a ver que talvez Evanescence não é tudo. Talvez haja realmente alguns tipos de música que eu escrevo que não se encaixam, que talvez precisem ser reservadas para um projeto solo ou qualquer outra coisa no futuro. Eu não tenho um plano para isso agora. Estou completamente feliz no Evanescence no momento, mas eu definitivamente acho que é possível para o futuro.

P: Você mencionou que começou a aprender a tocar harpa recentementea. A harpa é um destaque no novo álbum ou na turnê?

AL: Não na turnê, não agora de qualquer maneira. Sim, é muito difícil tocar. Eu comecei a ter aulas de harpa quando fizemos uma pausa e realmente me foquei nisso por um tempo só porque eu adoro aprender. Quero sempre me aperfeiçoar como musicista. Foi muito bom para apenas aprender um novo instrumento. Isso me fez escrever algumas coisas de uma maneira que eu não acho que eu faria se estivesse sentada ao piano. No álbum deluxe há três músicas diferentes que têm um pouco de harpa neles. Na versão simples é apenas “Swimming Home”, a última canção, que tem harpa. Eu usei harpa para escrever algumas músicas, o que foi realmente bom. E então eu acabei tocando-as no piano depois só porque funcionou melhor no piano. Mas é uma boa ferramenta para escrever.

P: O que eu acho realmente puro é que, mesmo quando vocês estavam dando um tempo, você ainda estava aprendendo, ainda crescendo, ainda estava focada na música.

AL: Eu espero sempre fazer isso. Eu só quero me tornar uma pessoa melhor e melhor até o dia em que eu morrer.

Créditos: IEssence !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s