MTV News – Evanescence: Os Valores de Família !

Jornalista James Montgomery, da MTVNews, entrevista Amy Lee e os integrantes da banda e falam sobre os laços de amizade e companheirismo presente nesta nova formação do Evanescence, mais do que isso, valores que vão além da amizade e que se pode considerar até familiar. Confira:

Evanescence: Os valores da família!

Com o lançamento do seu novo álbum, o Evanescence tem uma tempestade e surgiu como uma família verdadeira, maior do que o som.

Há alguns meses atrás, eu estava sentado em um bar em Nashville assistindo Amy Lee jogar ping-pong. Esta situação foi incrível por diversas razões, menos que o fato dela ser realmente muito boa nisso.

Porque, enquanto a imagem de Lee – freqüentemente a princesa dark do hard rock – segurando uma raquete pequena certamente me enlaçou, era uma ação em torno dela que realmente me impressionou. Seus companheiros de banda estavam sentados em uma mesa próxima, fazendo piadas com a equipe de estrada, torcendo sempre que ela errasse um retorno do volei (ping-pong) sobre a rede ou fosse pega no canto da mesa com um arremesso de bola alta. Lee estava rindo e zombando do adversário dela, que só então passou a ser seu marido, que não podia fazer nada além de sorrir e tomar um gole de cerveja. Todo mundo parecia estar feliz, se divertindo, aproveitando bastante seus montes particulares da vida.

E isso foi importante, porque, basicamente, voou em face de tudo o que eu achava que sabia sobre o Evanescence, uma banda para que o drama era tão comum como uma afinação Drop D.

Os fãs já conhecem a história de fundo: a saída abrupta e amarga do co-fundador Ben Moody e diversas outras mudanças de formação (demissões, etc) que se seguiram; Lee dá cutucadas ao ex-namorado Shaun Morgan, “Call Me When Você ‘re Sober”; e o hiato demorado que chegou à conclusão da turnê de 2006, The Open Door. Mesmo o mais casual dos fãs de música estava provavelmente ciente da reputação de Lee como difícil (ou, se não fosse, seu ex-companheiros eram mais do que felizes em falar sobre isso).

Em suma, estar no Evanescence não parece ser um monte de diversão. E quando eu falava com Lee no início deste ano, assim como a banda estava dando os retoques finais em seu terceiro álbum, ela admitiu que todos os Sturm und Drang (Tempestade e estresse) de frente para a banda haviam custado um preço para ela – tanto que ela pensou em desistir completamente.

“Houve drama. … Há sempre drama”, ela disse. “Então nós terminamos [Tour The Open Door], e eu estava tipo, ‘Pessoal, eu não sei sobre isso. Preciso de um descanso’. Eu só queria ser normal, eu não quero pensar sobre a próxima coisa, como sempre foi”.

Mas depois de se reunir com seus ex-companheiros para uma galera em 2009, algo mudou. Lee me disse que ela se apaixonou pelo “Evanescence”, que era parte de sua personalidade e, recarregada, ela e a banda se enfurnaram em Nashville para gravar o que seria, uma vez revelado, o seu álbum auto-intitulado. Foi lançado na segunda-feira, pondo fim a uma seca de cinco anos, e é muito mais um registro da banda, com créditos de partilha de Lee, que escreveu 11 das 12 canções. É, como ela me disse que em junho: “É sobre a banda… sobre se apaixonar novamente por esta coisa, pelo Evanescence, com o que eu mais sou obcecada há uma década, mais do que isso”

Claro, eu acenei com a cabeça. Mas eu não tinha certeza se acreditava nela. Afinal, este era o Evanescence. E que a dúvida só aumentou a cada tiragem subsequente: Em Nashville, Blackbird Studios, onde Lee – e o produtor Nick Raskulinecz (e nenhum de seus companheiros de banda) – tocaram para mim músicas do novo álbum. Em uma gravação de vídeo sufocante no Brooklyn, onde, apesar de ter sido cercado pelo resto da banda, Lee fez mais do que falar. E, finalmente, de volta em Nashville, foi quando Evanescence estreou seu single de retorno, “What You Want”.

Mas foi nessa segunda viagem a Nashville, onde comecei a notar algo sobre o Evanescence de 2011. Ou seja, eles realmente parecem gostar um do outro – um lote inteiro. Claro, em entrevistas, Lee responde a maioria das perguntas, mas isso é só porque os outros caras da banda não estão exatamente pulando para ter chance de fazer isso (exceto o baixista Tim McCord, ele é um cara engraçado). O “homem da montanha”, o guitarrista Terry Balsamo, prefere deixar suas cordas trovejando do que se fazer falar, mas nos bastidores, ele acenderá se você mencionar seus amados jacarés da Flórida. Troy McLawhorn, que deixou a banda para se juntar ao ex-Lee no Seether (mas foi recebido de braços abertos durante a gravação do novo álbum do Ev), as crianças ao redor e fala longamente sobre sua esposa e filho. E o baterista Will Hunt é, como todos os bateristas bons devem ser, um pouco de um homem selvagem, um cara que gosta de nada mais do que tocar alto e rápido (e vivência da mesma maneira).

Que cada um desempenha um papel, e eles o fazem de boa vontade, com prazer, mesmo. Eles riem e contam piadas (como aquela de McCord, um alarme de incêndio e um hotel de Nova York – pergunte a ele sobre isso algum dia), eles protegem uns aos outros, e eles mantém a máquina funcionando, porque eles realmente se preocupam uns com os outros e sua banda.

Em muitas maneiras, através de todas as provações e tribulações, o Evanescence se tornou mais do que uma banda, eles se tornaram uma família, uma coleção de indivíduos tão diferentes como podem ser, mas unidos por um amor comum para o outro. Seu novo álbum – e a estrada longa que levaram à sua criação – é um testemunho desse fato. E naquela noite no bar, com mãos à tona, Lee chicotiando e seus companheiros de banda aplaudindo-a, era a prova. Pelo menos para mim. Era o tipo de camaradagem que não pode ser forçado, deve ser forjado. Evanescence definitivamente atravessou a sua quota de endurecimento. Agora, finalmente, eles podem desfrutar não apenas de ser uma banda, mas de um funcionamento (embora não tradicionais) de unidade familiar. Na melhor das hipóteses, os dois são normais.

Fonte: MTV News / James Montgomery !

Créditos: Ev Rock BR !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s