Az Central: Q&A Amy Lee volta à estrada com o Evanescence !

Entrevista feita com Amy Lee ao site Az Central, da cidade de Phoenix (Arizona). Veja abaixo:

Q&A – Amy Lee volta à estrada com o Evanescence

Amy Lee diz que está empolgada de estar de volta à estrada com o Evanescence em apoio do seu primeiro álbum desde “The Open Door”, que atingiu as paradas em 1º lugar no final de 2006.

Claro, ela está prestes a ir à praia em San Juan, Puerto Rico, mas o entusiasmo se estende para os shows também.

“É uma sensação emocionante dizer, ‘OK, vamos parar de criar e, finalmente, começar a tocar essas músicas e conhecer os nossos fãs novamente.’ E isso é incrível”, diz ela.

“Eu amo o processo criativo. Isso sempre foi a coisa mais próxima do meu coração, criando algo. Mas isso é quando nós começamos a ter uma aventura real. Temos que ver o mundo e realmente encontrar um monte de fãs que não vimos em muito tempo. É incrível para mim quantos fãs que estiveram conosco por quase uma década agora.”

Formado em 1995, o ano que Lee completou 14 anos, o Evanescence ganhou um Grammy de melhor artista em 2004 com a força de “Fallen”, sete vezes platinado. Aquele primeiro álbum enviou dois singles para a Billboard Hot 100 – “Bring Me to Life”, uma colisão improvável de rap-rock, piano e vocais etéreos Lee e “My Immortal”, uma balada de piano assombrando com cordas que resultou em um monte de comparação com Tori Amos.

Foi depois da turnê de “The Open Door”, seu segundo álbum, que Lee decidiu que ela precisava de uma pausa para ver o que o mundo tinha para oferecer.

“Eu só queria se afastar em grande estilo”, diz ela. “Evanescence havia sido o centro da minha vida desde que eu era adolescente, e eu só queria se casar e viver a vida e, eu não sei, assistir alguns shows.”

Ela ri com o pensamento de sua necessidade de uma pausa em seus shows para assistir a outras pessoas tocarem, em seguida, acrescenta: “Acho que eu precisava ficar bem com a idéia de que talvez nós nunca faríamos isso de novo, sabe? Que talvez essa coisa de vida pública estava no passado para mim. E todo mundo acha que você é louco.”

“Mas eu tenho que seguir o que eu sinto que é certo para mim. Se isso está acontecendo, está acontecendo. Se está em seu coração, faça isso. Se não? Você não pode simplesmente ir porque está na hora.”

“Então, ter tido um tempo de folga foi muito bom para o meu cérebro, porque eu só vivia a vida como Amy, não a Amy do Evanescence.”

E o que é interessante, diz ela, é que depois de alguns anos longe do Evanescence, “Eu comecei a perceber que eles eram tipo único e o mesmo. Eu realmente nunca abandonei o meu verdadeiro eu. Não é como se eu inventei essa pessoa imaginária e comecei a ser ela. Essa sou eu realmente. Essa música é realmente meu coração.”

Lee percebeu também que sentia falta do Evanescence.

“Acabei ficando mais obcecada com Evanescence do que nunca, porque eu estava afastada por um minuto”, diz ela. “Então, escrevi esse álbum e trabalhei nisso nos últimos dois anos inteiros. Esta é a primeira vez que já fizemos um álbum que tem valor de um álbum inteiro de canções que sobraram no final.”

Questionada se sentia que havia certas coisas que os fãs estariam esperando de seu primeiro lançamento em cinco anos, Lee diz: “A maneira que eu sempre fiz música, a regra geral, acaba sendo que eu faço o que eu realmente amo. Eu escuto todos os tipos de música, não só rock, mas tudo, desde música pop boa – que é geralmente o pop mais velho – ao R&B e indie rock. Eu amo indie rock mais do que um monte de coisas comerciais que você esperaria. Se é bom, é bom. Não importa o gênero que é.”

E, ainda assim, há momentos definidos sobre este último álbum que lembrou Lee do Evanescence.

“Há quase um elemento de nostalgia quando esses momentos saíram desse tipo de som com o clássico Evanescence”, diz ela, com uma risada. “É como ‘Sim, somos nós’, sabe?”

Ela gosta desses primeiros sucessos do Evanescence. E ela ainda gosta de cantá-los ao vivo.

“Você sempre ama o seu material mais recente, porque isso é o mais próximo de quem você é agora”, diz ela. “E eu definitivamente mudei e cresci muito desde que eu tinha 15 ou 16 anos e estávamos escrevendo algumas das canções que acabaram entrando no ‘Fallen’. E isso é legal, sabe, porque essas músicas antigas podem ser uma nova luz para mim. O jeito que a nossa música é escrita, é de uma forma um tanto vaga, liricamente, por isso, sou sempre capaz de aplicá-la a algo que está acontecendo na minha vida.”

Fonte: Az Central !

Créditos: Ev Rock BR e @Amy_LeeBrasil !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s