Lithium Magazine – Review sobre o show do Evanescence em Toronto !

LithiumMagazine fez uma review sobre o show do Evanescence em Toronto, Canadá, dia 25/10. Veja abaixo:

Certamente a definição do dicionário para ‘evanescence’ parecia ser verdadeira para a banda de mesmo nome, considerando os seus cinco longos anos desde o lançamento do álbum passado, enquanto a vocalista Amy Lee levou algum tempo muito necessário para refletir sobre assuntos pessoais, bem como refletir sobre o destino de sua banda. Felizmente para os fãs e ouvintes casuais mesmo, o significado já não detém a verdade, pois o Evanesence está de volta em ação, atualmente em turnê do seu auto-intitulado lançamento recente. O álbum estreou em # 1 na parada Billboard 200, alcançando tops subseqüentes # 1 nas categorias de Álbuns de Rock, Álbuns Digitais, Álbuns Alternativos e Álbuns de Hard Rock. É difícil bater essa.

No entanto, apesar de tais estatísticas impressionantes, o que é ainda mais alucinante é show ao vivo da banda, que rolou na Sound Academy de Toronto em 25 de outubro e tocou para uma casa lotada de fãs ansiosos e entusiasmados. As bandas Rival Sons e The Pretty Reckless abriram o show e fizeram um excelente trabalho de condicionamento e de bombeamento na multidão para a atração principal. No momento em que Amy Lee e companhia subiram ao palco, a energia no local era palpável. Abrindo com “What You Want”, o single espirituoso do álbum novo, Lee mergulhou de cabeça em um desempenho que só se pode descrever como fascinante, imponente, e absolutamente brilhante. Para as atuais estrelas pop que contam com faixas de apoio, a tecnologia Auto Tune, microfones especiais para melhorar suas habilidades vocais, e ouso dizer – sincronização dos lábios – elas poderiam aprender uma coisa ou duas (ou dez) com Lee, cujos vocais incrivelmente estelares FIZERAM o show e fizeram sua performance ser totalmente cativante.

Como uma inovação gótica-fashion, Lee estava com botas de amarrar com um vestido preto, assinatura que contou com um corpete halter, uma saia de tule brilhante cortada na diagonal e uma faixa de tartan que se reuniram em um plissado na lado esquerdo e caiam para alcançar o comprimento da saia; seus cabelos negros estavam longos e lisos. Claramente ela estava menos montada do que na capa recente da revista Revolver, que a coroou como “The Hottest Chick in Rock”. No entanto, o olhar era encantador, como foi o sorriso agradecido e recatado em seu rosto à reação do público e demonstração de amor.

Suportando o palco, esvoaçando para frente e para trás com o microfone, teclados e piano, e parando apenas para um gole rápido de água entre as músicas, Lee cantou as mais recentes de “The Other Side”, “Oceans” e a extremamente cativante “Sick “. Estes foram muito bem intercalados com as favoritas dos fãs como “Going Under”, “Call Me When You’re Sober” e “Lithium”, na qual Lee mostrou tanto domínio vocal que poderiam passar por versões de estúdio, e “Bring Me To Life”, que ganhou um rugido ensurdecedor de aprovação da multidão. Durante o show ela comentou diversas vezes: “Obrigada por serem tão incríveis” em resposta a aplausos da audiência.

Enquanto isso, a banda composta pelos guitarristas Terry Balsamo e Troy McLawhorn, o baixista Tim McCord e o baterista Will Hunt, funcionavam como uma máquina bem calibrada enquanto eles estabeleciam um ritmo pesado de rock e a melodia, mais unidos do que um acabamento de edição de fotos. Bem como a definição de Evanescence sugere, a banda desaparece ao fundo, uma vez que não há muita interação no palco, com Lee ou uns com os outros. No entanto, isto não prejudica a eficaz e qualificada musicalidade deles, ou o quanto eles contribuem para o desempenho global.

Depois de um set de 14 canções que mantia o público cativo, a banda teve uma pequena pausa e voltou para um bis de três músicas que incluiam “Never Go Back”, a assombrosa e vocalmente desafiadora “Your Star” e, finalmente, “My Immortal”, que trouxe ao show um fim excelento e de cair o queixo.

Para qualquer um que assistiu ao show como um ouvinte casual, com certeza partiram como fãs dedicados. Para os seguidores devotados, sem dúvida, eles estavam com a mente queimado. Eu sei porque era uma.

Créditos: IEssence !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s