Atlantic City Weekly: Não chame isso de “gótico”, diz Amy Lee !

Primeira parte da matéria publicada no site Atlantic City Weekly, diante de uma entrevista com Amy Lee. Nesta parte, ela comenta sobre os álbuns passados, mudanças na banda e a questão do rótulo de grupo “gótico”. Para ler a segunda parte da matéria, clique aqui.

Balanço do Evanescence: Entrevista com Amy Lee

Depois dos primeiros 15 anos tumultuados, vocalista da banda parece deixar para trás o drama, e encontrar um sentido de equilíbrio em sua música. E, diz ela, não chame isso de “gótico”.

Deveria haver uma porta giratória no ônibus da turnê do Evanescence. Membros da banda vêm e vão, mas há uma constante há 15 anos de gravação e ações em turnê.

Vocalista e pianista Amy Lee.

Lee falou ao Atlantic City Weekly na semana passada antes de parar com sua banda em turnê por Atlantic City, na noite anterior do Halloween. Remascente no grupo, ela co-fundou [a banda] em sua cidade nativa Little Rock, Arkansas.

O grupo sobreviveu a uma série de partidas importantes, como a demissão de co-fundador Ben Moody, em 2003, em plena turnê. Muito tempo atrás, o Evanescence esteve tumultuado para Lee, mas ela conseguiu mantê-lo unido e o grupo continua a florescer.

“Eu tenho sido muito feliz”, diz Lee. “A banda tem sido bem sucedida, apesar das mudanças. Os fãs ficaram com ele, embora não tenha ocorrido um álbum do Evanescence após o outro”.

Cinco anos se passaram entre 2006 do “The Open Door” e o novo álbum “Evanescence” de mesmo nome, lançado há duas semanas.

O mais recente trabalho teve um lançamento monstruoso. Mais de seis milhões de cópias de “The Open Door” foram vendidos.

“Não posso me preocupar com a quantidade de álbuns que vendemos”, diz Lee, direto de Toronto. “Os números do The Open Door são extraordinários, mas eu acho que nós realmente viemos com algumas canções que se relacionam com o público”.

“Call Me When Você está Sober” do “The Open Door”, inspirado no relacionamento de Lee com o ex-namorado Shaun Morgan (Seether); “Lithium” e “Sweet Sacrifice” em paradas. No obscuro, assombrado piano e guitarras conduzentes nas canções para equilibrar a linha entre o gótico e pop-rock.

“Não diga gótico!”, Diz Lee com uma risada. “Eu não quero ser jogada em um bin. Posso fazer isso sem ser rotulada. Eu só quero fazer música”.

Lee, 29, está de volta fazendo exatamente isso com seu mais recente álbum e não se afastou muito de sua fórmula familiar. As novas músicas são principalmente sérias, angustiantes e melancólicas.

Evanescence irá se apresentar no domingo, 30 de outubro, no House of Blues (7:00; Sons Rival abertura), não tem nenhum problema alternando entre entrega muscular e material delicado.

“Eu gosto de torná-lo interessante para mim”, diz Lee.

“Eu não gosto de fazer a mesma coisa duas vezes. Fazer este álbum foi uma grande experiência desde que senti que a banda estava tão conectada como nunca antes.

Nós apenas demos nossas vísceras por este álbum. Sou grande fã de não ter mapas quando você começa a trabalhar em um álbum, mas nós realmente tivemos partir do zero nesse e apenas fizemos o que parecia certo. Eu queria fazer este álbum como uma banda e nós fizemos isso. Nós ricocheteamos idéias e nisso surgiu uma música atrás da outra”.

Esperamos Lee e sua banda, que inclui os guitarristas Terry Balsamo e Troy McLawhorn, o baixista Tim McCord e o baterista Will Hunt, para apresentar a maior parte do álbum auto-intitulado, em Atlantic City.

Mas a banda também se aprofundará em seus outros álbuns.

Lee pode voltar há muito tempo trás como ela e a banda fizeram no ano passado, quando prestaram uma versão ao vivo de “Understanding”, uma canção escrita quando ela estava em sua pré-adolescência.

“Há músicas gravadas que eu escrevi quando eu tinha apenas 14 anos”, diz Lee. “Eu estava tão amarga e cheia de angústia naquela época. Não é tão fácil de voltar lá, mas nós fizemos isso. Porém, eu estou com quase 30 agora. Eu sou uma pessoa diferente. Eu voltarei às coisas antigas, por vezes, mas temos tantas músicas novas. Você pode contar conosco tocando músicas dos [últimos] três álbuns. Vou tentar equilibrar tudo. Nesta fase da minha vida e carreira, equilíbrio soa como uma coisa boa”.

Lee não acredita que ainda tenha atingido seu auge.

Fonte: Atlantic City Weekly !

Créditos: Ev Rock BR !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s