The New York Times comenta sobre o Show do Evanescence no Terminal 5 !

O The New York Time fala sobre o show que o Evanescence realizou nesta terça-feira no Terminal 5 (Nova York). Leia abaixo:

Em cada nota, as dores do Coração

Toda emoção é maior do que a vida nas músicas do Evanescence, banda se apresentou no Terminal 5, na noite de terça-feira com seu primeiro álbum de estúdio desde 2006, “Evanescence” (Wind-up), que chegou ao No. 1 na parada da Billboard há uma semana. A morte de um ente querido, o rompimento de um romance ou uma crise de insegurança são enviados ao máximo da voz de Amy Lee, a chorar com o drama desenfreado, enquanto sua banda agita e ruge. “I’m everything you can’t control/Somewhere beyond the pain there must be a way to believe”, ela cantou com set de abertura em “What You Want”, o primeiro single do novo álbum.

Dor, tanto como uma palavra e uma condição, é um grampo de suas letras, assim são os sonhos, medos, gritos, a escuridão, o coração e todas as coisas aquosa, de chuva para oceanos. Cedo ou tarde – geralmente mais cedo – suas canções prosperaram e aí continuam.

A banda tem dois álbuns anteriores de estúdio, “Fallen” de 2003 e “The Open Door” de 2006, são vendedores multimilionários. Cada um dos álbuns da banda tem contido uma formação diferente por trás da Senhora Lee, a única constante. Mas o som tem sido bastante consistente. A astúcia e habilidade do Evanescence exploram o rock alternativo dos anos 1990, é uma banda da década de 1990 do Festival Lollapalooza, desenho diretamente ligado ao grunge, Nine Inch Nails e Metallica. E quando a Sra. Lee senta-se ao piano de rodas, dentro e fora dos palcos, ela causa tremor com sua voz e promove homenagens a figuras como Tori Amos.

Com 21 do século, a habilidade comercial do Evanescence usa o que aprendeu com baixo indo a fundo, atirando guitarras e duplas fibrilações de bateria colocam o músico hard-rock que fica por trás do que são realmente, compondo canção pop-estruturas. A música torna-se um delineador do coro, e a (brevemente bonita) ponte, e repete-se em nome da pegadas. Elemento mais distintivo da banda é a voz de Sr. Lee: alta, forte e sustentada perpetuamente, estendendo cada nota de suas linhas melódicas longas. É o oposto do hard rock gutural, e o epítome de controle da respiração. No palco, bombeando seu punho e lançando seus longos cabelos escuros, ela desvia para dentro e fora da sintonia, mas seu poder de pulmão nunca vacilou.

Foi um concerto de virtuosismo, exultando na determinação de tristeza, e o impacto estrondoso. Foi também um desgastante, como cada música rapidamente atingiu o seu pico e só manteve a vibração distância. O estilo de produção para rádios rock e pop é agora inabalável, mixagem, ataque mais alto do que o alto. Evanescence transportou-se para o palco, onde não pode haver margem de manobra muito e com dinâmica.

Sr. Lee começou a arrebentar com o encore de encerramento, com o hit de 2003 do Evanescence, “My Immortal”. Sozinha ao piano, com a partilha de sentimentos como “This pain is just too real/There’s just too much that time cannot erase” com o coro de vozes femininas da plateia, verso após verso. Mas o Evanescence não conseguiria deixar o momento subjugar-se por si só, tinha que vir arrassar por uma última vez.

Fonte: The New York Time !

Créditos: Ev Rock BR !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s