Site Frankfurter – Amy diz: ” Nós não estamos sempre tristes ” !

Entrevista publicada no site alemão Frankfurter Neue Presse com Amy Lee. Na entrevista, Amy Lee comenta acerca do hiato da banda, composições, Ben Moody, Josh, casamento e estilo da banda. Confira a tradução:

“Nós não estamos sempre tristes”

A banda vampira norte-americana “Evanescence” traz um álbum de mesmo nome na memória. Depois de cinco anos, o grupo de dark Rock volta à ribalta. Sua turnê pela Alemanha atravessa a Offenbach Stadthalle.

O período é muito difícil para a cantora vampira Amy Lee e seus músicos colegas músicos pararem por perto. Em suas novas canções, não está somente a morte.

Mesmo antes da tendência de grandes vampiros quebrarem a imortalidade, há bons velhos tempos, “Evanescence” do estado de Arkansas (EUA) já dominava a questão. Sua canções “Bring Me To Life” e “My Immortal” tornaram-se mundialmente famosas, o álbum de estréia “Fallen” vendeu dez milhões de cópias, seguido da demissão do co-fundador e compositor Ben Moody, segundo álbum “The Open Door” e retorno em cinco anos. Do grupo de dark rock, liderado pela cantora Amy Lee (29) agora com o novo trabalho, “Evanescence”, retorna. Para uma turnê de concertos na Alemanha, um deles será 17 Novembro no Stadthalle Offenbach. Steffen Ruth conversou com Amy Lee, que tem sido chamada assim, com o sobrenome, desde o seu casamento com Josh Hartzler Hartzler em 2007.

Amy, a primeira linha de seu single de retorno, “What You Want”, é: “Hello, hello, remember me?”. Você está preocupada com que as pessoas possam ter esquecido você?

Amy Lee: Oh, eu não penso assim. É claro, cinco anos é muito tempo nesse negócio. Nossos fãs ainda são muito apaixonados por essa causa.

Sobre o que a canção é, então?

Lee: A partir do caos que dominou muito tempo da minha vida. Foi antes de começar aqui com este álbum, primeiro eu tive que descobrir o que eu realmente quero. Eu dou tudo por esta banda, pois estou nela desde adolescente. Com “The Open Door” estávamos quase dois anos em turnê, em qualquer lugar do mundo, este é realmente um longo tempo. Eventualmente, eu percebi que não tinha vivido minha vida adulta inteira, nada além do “Evanescence”.

E você entra em pânico?

Lee: Yeah, yeah. Eu tive que aprender que eu não sou apenas uma cantora e compositora da banda, mas também Amy. Apenas música, só isso “Eu, eu, eu” que sempre fui fraca. Eu não quis dizer que perdi meu centro, meu íntimo e também diversão.

O que você estava fazendo nesse período?

Lee: Bem, eu vivi por um tempo uma vida maravilhosamente normal. Eu pintei, compus, vida com minha família e amigos, viajei pelo mundo, depois do Egito e África do Sul. E me casamos.

Há quanto tempo conhece seu atual marido Josh Hartzler?

Lee: Nos conhecemos quando eu tinha 17 ou 18. Éramos apenas amigos por muito tempo. Cinco anos atrás, então se desenvolveu isso entre nós. Nós dois achamos agradável se casar. Lhe dá uma rede de segurança e tira a pressão sobre você.

Não seria um novo álbum do “Evanescence”, se não tivesse coceira novamente.

Lee: Certo. Durante o intervalo, eu toquei um pouco de piano, compus aqui e ali. No momento em que eu reconheci as novas músicas no painel de resultados do “Evanescence”, eu percebi um aspecto importante da minha vida, ainda é este grupo.

Eles têm “Evanescence” com o ex-guitarrista Ben Moody do período escolar em Little Rock / Arkansas, fundada quando tinham 15. Aos 21, você estava familiarizada com a música “Bring Me To Life”. Como é agora com o álbum retorno do “Evanescence”?

Lee: Um monte. No primeiro álbum era tudo novo, poderíamos tentar o infinito. No segundo, queríamos uma mudança do primeiro, também, Ben Moody não estava mais lá, nós tínhamos conhecimentos do conflito. Agora, com o terceira lançamento, sabemos que nossa música é a melhor maneira que podemos nos expressar melhor e mais claramente, podem sentir as músicas bem mais diretas.

Estilisticamente, não mudou muito. Como antes, há dinâmicas baladas de piano e uma área rock.

Lee: O rumo seria continuar Evanescence, essa era a idéia. Nós cobrimos um espectro amplo. Muitos pensam que nós sempre somos apenas obscuros e tristes, mas isso não é verdade. São nestas canções, não só o desespero, mas também o pacífico, amoroso e aceitação de elementos.

Se todo mundo pensar que vocês são uma banda gótica, te incomoda?

Lee: Eu desisti de tentar contornar isso sobre mim. Sim, isso realmente é uma porcaria quando você está tão fixado em um ou dois singles.

Ainda assim, algumas músicas ainda estão entorno da morte.

Lee: Mas elas também atuam fora da vida! Agora, você pode conseguir um sem o outro.

Fonte: Frankfurter Neue Presse !

Créditos: Ev Rock BR !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s