Daily Rock: O Destino Fabuloso de Amy Lee !

Entrevista feita com Amy Lee pelo site francês Daily Rock. Na entrevista, novo álbum, influências, estilo musical e musicalidade do Evanescence são alguns dos temas abordados. Leia abaixo:

Evanescence: O Destino fabuloso de Amy Lee

Oito anos após a sua grande abertura no mercado de rock, Amy Lee e seus súditos retornaram com um trabalho tingida por romantismo, onde a voz épica da adorável Amy plana sobre uma espessa camada do som.

‘Evanescence’ é o nome do seu terceiro álbum, é uma maneira de dizer que ainda temos que contar com você?

É uma maneira de dizer que estamos orgulhosos do que somos, a nossa jornada, a nossa criatividade. Estávamos ausentes da cena há quase cinco anos, o que é longo. Este disco é uma destilação pura do que é o Evanescence, uma amostra da energia que somos capazes de produzir como um grupo.

Você concorda se disser que sua música é feita de paradoxos?

Eu amo os humores e sentimentos contrastantes. Nossas músicas são impressões de doçura, escuridão, leveza, resistência, peso e luz. Na música, mudanças de tempo e humor fornecem mais intensidade.

Você acha que [Evanescence] criou um novo gênero musical, combinando acordos entre nu-metal, um piano clássico e uma voz feminina?

Mais ou menos. Minha voz é natural, eu não poderia cantar de outra forma. Pego longas notas altas. Evanescence é a combinação de tudo que eu amo: guitarras ferozes e uma presença feminina.

Compõe a maioria de suas faixas no estilo de Marilyn Manson, ou colocando versos entre o pré-refrão. Isso é intencional?

Absolutamente. É uma forma de construir a música crescente, dando-lhe mais força. Isto permite surpreender e pegar o ouvinte duas vezes, porque não necessariamente espera para ouvir o coro.

‘Evanescence’ contém algum tema que gostaria de ter uma marca d’água em todo o disco?

No nível textual, temos desenvolvido vários temas recorrentes no álbum: luta pela liberdade, superar o medo.

Qual foi seu primeiro contato com música?

Graças ao meu pai, que é multi-instrumentista. Descobri o mundo da música com Neil Young e os Beatles. Logo no início, eu ouvi Michael Jackson. Crescendo, eu sucumbiu à onda grunge de Soundgarden e Smashing Pumpkins em particular, em seguida, por Portishead e Björk. E é a Mozart que devo a minha obsessão pelo piano.

Fonte: Daily Rock !
Créditos: Ev Rock BR !

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s